segunda-feira, 20 de novembro de 2006

Racional x Emocional



Cientistas hoje acreditam que a natureza criou o instrumento da racionalidade não apenas por cima dos instrumentos emocionais e de regulação biológica, mas também a partir deles e com eles.
Experimentos conduzidos por estudiosos da neurologia, mostraram que sem a emoção a mente se perde em cálculos infindáveis e com o cálculo racional puro o ser humano escolhe mal ou, mais provavelmente, simplesmente é incapaz de escolher.
Qual o papel das emoções para evitar que isto aconteça?Em primeiro lugar, elas atuam como um filtro, reduzindo drasticamente o número de opções a serem consideradas na decisão.
Em segundo lugar, e de modo não menos importante, elas funcionam como um sistema automático de qualificação das previsões relativas aos cenários que são avaliados em uma decisão. Em outras palavras, emoções, positivas ou negativas, salientam, colorem e ajudam a dar “pesos” aos possíveis caminhos de decisão.
Um simples contato com a marca estimulará um determinado pacote de emoções e sentimentos: medo, segurança, prestígio, desconfiança, empatia, admiração etc.
O segredo então é saber planejar cuidadosamente esse conjunto de emoções e como ele se integra aos aspectos racionais da sua oferta, vis a vis seus concorrentes.
É a marca a melhor tradução de como esses aspectos racionais e emocionais são integrados em uma promessa única e relevante.